Divulgação | GT “Fenomenologias da experiência geográfica” (XII ENANPEGE, 2017)

Este ano, durante o XII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (XII ENANPEGE) – que ocorrerá na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em outubro – teremos novamente o Grupo de Trabalho “Fenomenologias da experiência geográfica”, com coordenação de Prof. Dr. Eduardo Marandola Jr. (Unicamp), Prof. Dr. Sylvio Fausto Gil Filho (UFPR), Profª. Drª. Jeani Delgado Paschoal Moura (UEL), Profª. Drª. Elis Miranda (UFF).

A ementa do GT (#17) está disponível no site oficial do evento. O prazo para envio dos trabalhos pode ser acompanhado na primeira circular, disponível para download aqui.

Convidamos a todos para participar conosco desse novo encontro e solicitamos ampla divulgação entre seus contatos.

______
SERVIÇO

Evento: XII ENANPEGE — XII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia
Data: 12 a 15 de outubro de 2017
Local: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Endereço:  Avenida Paulo Gama, 110, Farroupilha, Porto Alegre, RS. 90040-060.

910177_b4c187c7a02241fb8db77e23f8060a9amv2-png_srz_412_320_85_22_0-50_1-20_0-00_png_srz

Anúncios

Geopoéticas!

Está ocorrendo desde setembro até dia 15 de Novembro a 8ª Bienal do Mercosul, que este ano tem o tema “Ensaios de Geopoética”.

Eis o texto de apresentação escrito pelo curador geral, José Roca, extraído do site de divulgação da Bienal:

“A mostra central no Cais do Porto examina a criação de entidades transterritoriais e supraestatais que colocam em jogo a noção de nacionalidade. Essas construções político-econômicas contrastam com as noções de Nação estabelecidas há séculos na conformação dos países americanos após as lutas por independência. A exposição explora diferentes aspectos das ideias de Estado e Nação, suas retóricas visuais (mapas, bandeiras, escudos, hinos, passaportes, exércitos) e suas estratégias de autoafirmação e consolidação de identidade.

A ideia de cidadania está baseada etimologicamente nas noções romanas de civitas e urbanitas. Que tipo de cultura de pertencimento se dá em situações não urbanas? Onde reside a nacionalidade quando se carece de território físico? Algumas obras consideram o território rural como uma possibilidade para a utopia e o isolamento como uma condição positiva; outras analisam diversas estratégias de sustentabilidade e de coesão na ausência de território. Algumas dessas construções nacionais – que, em certos casos, possuem território mas carecem de autonomia política – estarão representadas no interior da exposição em “pavilhões” que denominamos ZAP – Zonas de Autonomia Poética.

Desde o mapa invertido de Torres García, a arte tem visitado a disciplina cartográfica para produzir mapas ativistas que não estão a serviço da dominação. A cartografia é um tema recorrente na prática curatorial recente, de modo que se torna inevitável quando se fala de território, pois nela confluem geografia, ideologia e política. A exposição reúne diversas formas de medir e representar o mundo, incluindo artistas que usam mapas para promover a mudança social, psicogeografias, rotas de derivas, mapas afetivos e diversas representações do mundo que contradizem as cartografias convencionais.”

Para quem não vai poder ir a Porto Alegre, vale a pena conferir o sítio de divulgação que tem informações sobre os artistas, obras, entre outras coisas: http://www.bienalmercosul.art.br/.

Notícia enviada pelo amigo Almir Nabozny.

Perspectivas Fenomenológicas na Geosofia

Este é o tema do Espaço de Socialização de Coletivos (ESC) que foi aprovado para se realizar durante o XVI Encontro Nacional de Geógrafos, que ocorrerá em Porto Alegre no próximo mês de Julho.

O formato será de Comunicação Coordenada, ocorrendo nas tardes dos dias 26 e 29 de Julho. Será apresentado o estado atual das pesquisas do grupo, as quais serão debatidas durante os dois dias. Haverá tempo também para discussão das atividades do grupo e inserção de interessados.

Expositores

  • A influência de Eric Dardel na construção da Geografia Humanista norte americana
    Werther Holzer (UFF)
  • A autenticidade dos lugares a partir de Heidegger
    Eduardo Marandola Jr. (Unicamp)
  • Bachelard telúrico
    Lúcia Helena B. Gratão (UEL)
  • Geografia humanista francesa
    Fernanda Cristina de Paula (Unicamp)
  • Ma e o sentido geográfico para os orientais
    Priscila Marchiori dal Gallo (Unicamp)
  • Mapas mentais e mapas do mundo da vida
    Luiz Tiago de Paula (Unicamp)

Debatedoras

  • Lurdes Bertol Rocha (UESC)
  • Amélia Nogueira (UFAM)

Para ver a proposta completa da ESC, clique aqui.