Divulgação: GT Fenomenologias da experiência geográfica – XI ENANPEGE (Presidente Prudente, 2015)

Com promoção conjunta do Grupo de Pesquisa Geografia Humanista Cultural (CNPq/UFF), do Grupo de Pesquisa Fenomenologia e Geografia (CNPq/Unicamp), do Grupo de Pesquisa Território, Cultura e Representação (CNPq/UFPR) e do Grupo de Pesquisa RASURAS: Imaginação Espacial, Poéticas e Cultura Visual (CNPq/UFES) acontecerá, durante o XI Encontro Nacional da Anpege (de 9 a 12 de outubro de 2015, em Presidente Prudente, SP), o “GT 17 – Fenomenologias da experiência geográfica“.

GT 17: Fenomenologias da experiência geográfica Com as transformações de toda ordem que temos vivido de forma mais intensa com a consolidação, desde os anos 1990, desta forma de globalização, tem havido uma série de “viradas” nas ciências humanas e sociais (espacial, linguística, cultural, etc.) em busca de aportes para compreensão de tais transformações. Estas viradas também atingem a geografia, reforçando a busca por filosofias que permitam compreender estas mudanças. Entre estas, a fenomenologia tem recebido interesse renovado por parte dos geógrafos. Isso porque a geografia e a fenomenologia buscam, por caminhos diferentes, o mesmo fim: a compreensão da experiência humana sobre a Terra. Este entendimento tem servido de fundamento para investigações teóricas e empíricas em diferentes temas que perpassam a experiência geográfica de mundo, ou, simplesmente, a experiência do ser-no-mundo. Esta é uma perspectiva teórico-metodológica que compreende os fenômenos geográficos a partir de sua manifestação na experiência, em sua dimensão existencial e epistemológica. A experiência é, portanto, o campo onde os símbolos, as identidades, as imagens e as imaginações se manifestam. Mas ela é também o fundamento epistemológico de investigação de uma geografia orientada pela fenomenologia. Esta, no entanto, não é unívoca, apresentando diferentes caminhos para se construir possibilidades de investigação geográfica. Como um pensamento heterodoxo, pode-se dizer que há tantas fenomenologias quanto fenomenológos. No entanto, todos passam ou centralizam sua reflexão na experiência, seja em sentido metodológico seja por permitir repensar a experiência contemporânea. O objetivo deste Grupo de Trabalho é promover a discussão das possibilidades abertas pela fenomenologia (em sua multiplicidade interna e em seus diálogos com outras filosofias, como o pós-estruturalismo, o existencialismo, a hermenêutica, etc.) para a compreensão da experiência geográfica. Serão priorizados trabalhos que problematizem os fundamentos teóricos desta relação, de natureza epistemológica, além de trabalhos de investigação compreensiva de temas/problema a partir destes aportes. Coordenadores Eduardo Marandola Jr. (Unicamp) Sylvio Fausto Gil Filho (UFPR) Antonio Carlos Queiroz Filho (UFES) Alessandro Rosaneli (UFPR)

As submissões de trabalhos iniciaram no último dia 06 e seguem abertas até 17 de maio de 2015. As normas para as submissões podem ser encontradas na primeira circular divulgada pela organização do XI ENANPEGE. Para baixar a circular, clique neste link. Untitled

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s